ELLEN ALLIEN

14. ABR / SEX

ELLEN ALLIEN

Se há nome na cena electrónica que é preciso não perder de vista durante muito tempo, é Ellen Allien. Porque ela está sempre a fazer alguma coisa e raramente essa coisa é igual ao que fez imediatamente antes. Ou seja, se é verdade que ela é uma visitante regular do nosso país, também é verdade que a cada visita, o que ela tem para partilhar connosco na cabine, será certamente diferente do que nos trouxe na vez anterior. Isto acontece porque, dito de forma prática, Ellen faz o que lhe apetece. Mais do que um som, ela define-se por uma salutar recusa em ser catalogada ou presa a géneros, pela sua atitude e pela paixão com que está na música, que garantem que mesmo que não se goste de um disco seu ou da sua BPitch Control em particular, nunca duvidamos da convicção com que foi feito e também sabemos que o que vier a seguir corre o risco de ser fabuloso. O seu último álbum, já de 2013, ´LISm´, era ambient, sem beats em 90% da sua duração, mas o mais recente EP, ‘Turn Off Your Mind´, é essencialmente puro acid-techno. Um set seu pode ser uma saraivada de techno industrial topo de gama ou um bálsamo de house solarengo. E quem consegue definir a BPitch Control com outro rótulo que não o de “independente”, no sentido mais puro da palavra? Alguns dos protegidos de Allien, como Modeselektor ou Paul Kalkbrenner, tornaram-se quase estrelas pop, mas em momento nenhum isso significou facilitismo. E ainda há isto: Ellen Allien parece ter um dom premonitório qualquer que antecipa o que vai ser tendência, meses ou anos antes de acontecer (quem se recorda de um “embrionário” Ben Klock editar na BPitch no longínquo ano de 2003?). Em suma, esqueçam tudo o que pensam que sabem sobre Ellen Allien, a única certeza é que se ela gosta, ela toca. De resto passem um apagador no quadro, deixem as ideias pré-concebidas em casa, mas não fiquem em casa. Tragam só duas vontades : de dançar e de sonhar. Ela mesma já avisou, turn off your mind. - Nuno Mendonça